42. São Francisco de Assis conversa com os animais: passarinhos, coelhos, peixes, etc

sábado, novembro 4, 2006

Certo dia, chegando ao povoado de Alviano com a intenção de pregar a Palavra de Deus, subiu num local mais alto para que pudesse ser visto por todo o povo e iniciou pedindo silêncio.

Quando todos já estavam calados, ouvindo-o com respeito, uma porção de andorinhas, que tinham os seus ninhos naquele lugar, começaram a fazer uma verdadeira algazarra com muito barulho. Deste modo, não conseguindo falar aos homens, São Francisco começou a falar com os passarinhos, dizendo: -“Minhas irmãs andorinhas, chegou o momento de eu também lhes falar, pois até aqui vocês já falaram bastante. Ouçam a Palavra de Deus e fiquem todas quietinhas até o fim do sermão do Senhor”. Então, para grande espanto e admiração de todos os que estavam presentes, as andorinhas se calaram e nem sequer saíram de seus lugares, até que a pregação tivesse terminado.

Vendo tudo isto, os presentes ficaram cheios de admiração e disseram: -“Na verdade, este homem é santo e grande amigo do Altíssimo”. Começaram todos, então, a correr em direção de São Francisco para poder ao menos tocar em sua roupa. Louvavam e bendiziam a Deus. Realmente era de se adimira que até as criaturas irracionais o obedecessem e fossem capazes de reconhecer o seu amor e todo o seu carinho.

Em outra ocasião, quando o santo estava morando no povoado de Greccio, um de seus frades lhe trouxe um coelhinho que havia caído vivo numa armadilha. São Francisco ficou muito comovido quando o viu e lhe disse: -“Irmão coelhinho, vem cá. Como é que isso lhe foi acontecer?” Então, o irmão que segurava o pequeno animal o soltou e ele correu para os braços do santo, onde encontrou o lugar mais seguro, sem que ninguém o obrigasse a isso, e aí descansou. Depois que já tinha descansado um pouco, o santo pai, o acariciou maternalmente, e o soltou para que voltasse livre para o mato. No entanto, todas as vezes que o coelho era colocado no chão, ele retornava para os braços de São Francisco, até o momento em que o santo pediu que os irmãos o levassem para um bosque próximo.

Francisco tinha uma enorme afeição também pelos peixes e, sempre nas oportunidades que lhe apareciam, devolveu-os novamente para a água, aconselhando-os a tomarem cuidado dali para diante, a fim de não serem mais pescados.

Certo dia, quando estava numa barca perto do porto do lago de Rieti, um pescador conseguiu pescar um peixe muito grande. Então o pescador resolveu presentear São Francisco com o enorme peixe. O santo o recebeu com alegria e bondade. Começou a chamá-lo de “irmão peixe” e o colocou na água fora da barca, bendizendo o nome do Senhor. Enquanto assim rezava, o peixe ficou brincando na água, sem se afastar da barca. Depois que a oração terminou, São Francisco lhe deu licença para ir embora e o peixe partiu.

Share Button

 

comentário(s)

  1. maria clara disse:

    lindo,emocionante *-*

Deixe uma resposta