Evangelho Comentado: Este é o Filho de Deus

sábado, janeiro 18, 2020

  No final deste artigo: folhetos da Missa e vídeo explicativo.

2º domingo do Tempo Comum – Ano A

“No Evangelho de hoje João apresenta Jesus ao povo dizendo: “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo”.

A figura do cordeiro é muito representativa e, em tudo, Jesus se assemelha a ele. O cordeiro é a própria imagem de candura e mansidão. No templo, os judeus sacrificavam um cordeiro e o ofereciam a Deus como forma de purificação de seus pecados.

No Egito, quando os israelitas foram libertos da escravidão, todas as famílias tinham sacrificado um cordeiro e, com seu sangue, marcaram suas portas. Os marcados com o sangue do cordeiro, foram salvos do extermínio.

Jesus manso e humilde é o cordeiro imolado e sacrificado. Ao apresentar Jesus como Cordeiro, João confirma que Jesus veio para dar a sua vida. Como o cordeiro imolado no Egito, o Sangue de Jesus livra a humanidade do extermínio, liberta os homens do pecado e de todo mal que leva à morte.

João Batista compara Jesus ao Cordeiro. Dessa forma, João usou o comparativo que, muito antes, o Profeta Isaías já havia utilizado, quando anunciou a vinda do Messias, e o denominou de Cordeiro (Is 53,7). Isaías compara o Messias a um manso cordeiro que, ao ser levado para o matadouro, suporta tudo calado, sem abrir a boca, como a ovelha que não se rebela diante do tosquiador.

Os judeus acreditavam que o Messias seria um poderoso rei, com um grande exército de homens armados, capaz de destruir o inimigo e libertar seu povo do poder dos romanos. No entanto, ao proclamar Jesus como cordeiro, João afirma que Jesus é bem diferente daquilo que imaginavam.

Esse rei é poderoso sim, porém não impõe sua autoridade e tem no amor sua única arma. Em parte estavam certos aqueles que esperavam a vinda de um Messias destruidor, pois Jesus destruiu o maior inimigo da humanidade; Jesus destruiu, eliminou para sempre a morte. Só morre quem se afasta do Cordeiro.

Jesus leva até o fim o Projeto de Salvação do Pai. Com seu sacrifício na cruz, torna-se o verdadeiro Cordeiro Pascal que entrega seu Corpo e sua própria vida. O Sangue do Cordeiro é a marca que preserva a vida, seu sacrifício traz luz, salvação e paz para a humanidade.

É importante notar neste evangelho que João Batista, o Precursor, aquele que passou toda a sua vida jejuando, orando, batizando, preparando o povo e aplainando caminhos para a chegada do Messias, por duas vezes diz que não conhecia Jesus. Agora, porém, seus olhos se abrem e fala com convicção que ali está o Filho de Deus, aquele que batiza com o Espírito Santo.

A sinceridade de João deve servir para nossa reflexão de hoje. É impossível testemunhar Jesus sem conhecê-lo. O evangelizador que não conhece Jesus acha que Ele está preocupado com as aparências, com o tamanho da sala de catequese, com a qualidade dos instrumentos musicais, com o aparelho de som da igreja e com aquele mundo de supérfluos considerados “indispensáveis” para evangelizar.

Humildade e mansidão são as marcas do Cordeiro. Essa humildade tem que estar presente em todos os locais, principalmente na comunidade da Igreja. Quem quiser colaborar para tirar o pecado do mundo, deve abrir os olhos para reconhecer Jesus, renunciar a si mesmo, tomar a sua cruz e segui-lo.”

  Folheto da Missa – 2º Domingo do Tempo Comum – 19.01.20
  Folheto da Missa do Presidente da Celebração – 2º Domingo do Tempo Comum – 19.01.20

(Comentário do Evangelho: www.miliciadaimaculada.org.br – autor: Jorge Lorente / vídeo: TVFranciscanos)

#EvangelhoComentadoEsteFilhoDeus

Share Button

 

Deixe uma resposta