Nós vimos o Senhor – Evangelho Comentado

sábado, abril 22, 2017

   No final deste artigo: folheto da Missa e vídeo explicativo.

nos-vimos-senhor_

2º Domingo da Páscoa – “Nós vimos o Senhor!” – Evangelho: Jo 20, 19-31 – (…) estando trancadas as portas do lugar onde estavam os discípulos, por medo dos judeus, Jesus chegou, pôs-se no meio deles e disse: “A paz esteja convosco”. Dito isto, mostrou-lhes as mãos e o lado. Os discípulos se alegraram ao ver o Senhor. Jesus disse-lhes de novo: “A paz esteja convosco. Como o Pai me enviou, assim também eu vos envio”. (…) Tomé, não estava com eles quando Jesus veio…

… Os outros discípulos lhe disseram: “Vimos o Senhor”. Mas ele respondeu: “Se eu não vir nas mãos os sinais dos cravos, e não puser o dedo no lugar dos cravos e minha mão no seu lado, não acreditarei”. Oito dias depois, os discípulos estavam outra vez no mesmo lugar, e Tomé com eles. Jesus entrou com as portas fechadas, pôs-se no meio deles e disse: “A paz esteja convosco”. Depois disse a Tomé: “Põe aqui o dedo e olha minhas mãos, estende a mão e põe no meu lado, e não sejas incrédulo mas homem de fé”. Tomé respondeu-lhe: “Meu Senhor e meu Deus”. Jesus lhe disse: “Porque me viste, acreditaste. Felizes os que não viram e creram”(…).

COMENTÁRIO

A liturgia de hoje nos fala do encontro de Jesus com seus apóstolos no cenáculo. Longe do Mestre, os discípulos estavam cabisbaixos e totalmente desencorajados. Com suas portas trancadas, assustados, num clima de medo e insegurança. O texto de hoje, de uma maneira forte, nos fala sobre a fé na ressurreição de Jesus.

Essa verdade está tão longe do nosso entendimento humano que acaba trazendo dúvidas. No entanto, a dúvida pode ser proveitosa e salutar. Como Jesus disse, demoramos muito para entender, por isso a dúvida não deve ser motivo de vergonha, mas sim de preocupação. Precisamos estar atentos para não andarmos na contra mão do mundo.

Se milhares acreditam e nós não acreditamos, significa que devemos procurar respostas para nossas dúvidas. Quem sabe é preciso ler mais, estudar e orar mais. É melhor correr atrás da verdade, do que simplesmente ignorar o que dizem ou fazer de conta que acreditamos.

A dúvida não é uma doença incurável, ela é, até mesmo, importante quando nos obriga a sair a procura da verdade. Foi o que aconteceu com o apóstolo Tomé. Muitas vezes a nossa vida é marcada pela dúvida, pelo sofrimento e pela incerteza.

Assim também estavam os apóstolos. Logo após a morte de Jesus, eles se sentiam desprotegidos e ameaçados pelos chefes dos judeus. Por isso, ficaram trancados no cenáculo e cheios de medo.

Provavelmente, diante de qualquer ruído, seus corações disparavam. O batimento cardíaco aumentava, assim como, o desejo de sumir dali. Essas são as reações naturais ao sentir-se medo. A falta de fé traz insegurança. Mas, finalmente a angústia termina quando Jesus volta trazendo-lhes a paz, o conforto e a alegria.

É reconfortante sentir a presença de Jesus. Quando Ele chega, tudo se transforma. O medo e a tristeza dão lugar à segurança, à alegria e à paz. Por duas vezes Jesus saúda os discípulos, desejando-lhes a paz. Paz, um dom precioso de Deus, tão necessário em nossa sociedade ameaçada pela violência e pela incerteza.

Jesus é a Paz! Ele nos dá a sua paz e, dá também a missão de comunicar a esperança da ressurreição. Como seus seguidores nós precisamos testemunhar sua ressurreição, sua proposta de vida e seu Projeto de Salvação. O discípulo precisa sentir emoção e o coração acelerar. O batimento cardíaco tem que aumentar ao testemunhar o amor.

O testemunho do cristão só convence, quando feito com fé e alegria. Fé não é uma simples afirmação de verdades abstratas e teóricas, mas sim, o testemunho de uma vida vivida em profundidade. Tem que ser uma alegria que não ignora os sofrimentos, mas que está carregada de sinais concretos de vivência cristã. Viver o evangelho é viver a alegria da fé.

Tomé não acreditou no testemunho da sua comunidade. Quis ver para crer. No entanto, a comunidade continuou persistente e afirmando essa verdade. Repetia sempre e em altos brados que o Mestre estava vivo.

O mérito de Tomé está no fato dele jamais ter se afastado de sua comunidade e de não sair pelas esquinas à procura da verdade. E foi dentro dessa comunidade que Jesus se revelou a Tomé.

A comunidade ativa deve testemunhar a Boa Notícia, tem que gritar a Boa Nova. O mundo precisa conhecer a verdade. Jesus Cristo é a Verdade! A comunidade tem que ser missionária, pois é nela que recebemos, que aprimoramos e que aprofundamos a nossa fé. A comunidade unida é o maior testemunho da presença viva de Jesus.

Veja só que boa notícia para levarmos às nossas comunidades: Jesus, a Verdadeira Paz, caminha conosco. Por isso, jamais se sentirá inseguro, assustado e perdido quem de fato acreditar e seguir os seus passos.

   Folheto da Missa do Presidente da Celebração – 2° Domingo da Páscoa – Domingo da Divina Misericórdia 2017

Share Button

 

Deixe uma resposta