O que significa Imaculada Conceição?

quinta-feira, dezembro 8, 2016

significa_imaculada_conceicao_

No dia 8 de dezembro celebramos a Solenidade da Imaculada Conceição, que é dia santo de guarda, ou seja, dia de comparecer à Santa Missa. Em alguns países é feriado neste dia.

“O QUE SIGNIFICA IMACULADA CONCEIÇÃO?

O que quer dizer “imaculada conceição”? Sei que essa expressão se refere a Nossa Senhora, mas não entendo bem o que significa.

O nome de Conceição ou Maria da Conceição é dado a muitas meninas em honra da imaculada conceição de Nossa Senhora. Conceição é o mesmo que concepção; quer dizer aqui o ato de ser concebido ou gerado no seio de uma mulher. Imaculada significa: sem mancha. Muitos pensam que quando a Igreja usa estes termos está se referindo à pureza imaculada da concepção de Jesus no seio de Maria. É certo que Jesus não nasceu da relação de Maria com um homem, mas por obra do Espírito Santo. É o que afirmamos no Credo dizendo: Nasceu de Maria virgem. Mas não é por causa de sua virgindade que a Igreja dá a Nossa Senhora o título de “Imaculada Conceição”.

Este título se refere à concepção da própria Maria no seio de sua mãe. Não significa, porém, que a sua concepção foi virginal como a de Jesus. Ela nasceu, como as outras pessoas, da relação conjugal de um homem e uma mulher, que a Igreja chama de São Joaquim e Santa Ana. Mas a conceição imaculada de Maria não tem nada a ver com seus pais. É um dom de Deus a Maria. Significa que desde o início de sua existência ela esteve livre do pecado original.

A fé nos ensina que toda a humanidade participa do pecado dos primeiros seres humanos, que a Bíblia denomina Adão e Eva. É como uma tara hereditária que uma pessoa transmite a todos os seus descendentes. Todos nós experimentamos que somos pecadores. Se somos sinceros, devemos reconhecer que não seguimos sempre a nossa consciência. A família humana ficou marcada por esta mancha. Só Jesus Cristo pode livrar-nos do pecado e de suas conseqüências. Pela fé e pelo batismo nos reconciliamos com Deus e voltamos a viver como seus filhos e filhas.
Mas Maria teve um privilégio especialíssimo. Porque no plano de Deus estava destinada a ser a mãe de Jesus Cristo, o Salvador, ela foi liberada da mancha do pecado desde a sua concepção. Jamais esteve separada de Deus. E ao tornar-se consciente de sua existência, confirmou com um “sim” a sua vontade de pertencer a Deus e obedecer a seus mandamentos. É esta santidade de Maria, cheia de graça, que a Igreja proclama quando fala de sua imaculada conceição. (João A. Mac Dowell S.J.)

Como a Igreja ensina que Nossa Senhora foi concebida sem pecado, se, segundo a Bíblia, Jesus morreu na cruz para salvar toda a humanidade do pecado?

É verdade que Jesus Cristo é o Salvador de todos, mesmo das pessoas que viveram antes de seu nascimento. Foi prevendo a encarnação e morte de seu Filho que Deus comunicou a Abraão e a todos os justos do Antigo Testamento a graça da fé na sua promessa de salvação. Como Filho de Deus, feito homem, Jesus é o único que não precisa ser salvo do pecado, que afeta toda a família humana. Maria também foi salva do pecado pela graça que Cristo, seu filho, iria merecer com sua paixão e morte. Ela pertence à humanidade pecadora. Não poderia livrar-se dessa situação por seus próprios méritos. Não seria capaz de agradar a Deus, sem a força do Espírito Santo que Cristo oferece a todos.

Mas, ao mesmo tempo que afirma esta verdade, a Igreja Católica, acolhendo a palavra de Deus na Bíblia, acredita também que Maria, mãe de Jesus, esteve livre do pecado desde o primeiro instante de sua existência. Nisso consiste a sua imaculada conceição. A grande diferença entre Maria e nós, é que nós pela graça de Cristo somos libertados do pecado, que já existe em nós, tanto o pecado original como os pecados pessoais. Maria, ao contrário, foi preservada de qualquer pecado desde que foi concebida, porque recebeu naquele instante o Espírito Santo de Deus. Por isso, ela já é “cheia de graça”, como diz o mensageiro do céu, antes do momento da encarnação. Este novo nome dado a Maria significa que Deus a amou de um modo todo especial, não permitindo que ela estivesse separada dele em nenhum momento de sua existência.

Este privilégio de Maria se fundamenta na sua escolha para ser mãe do próprio Filho de Deus. Para cumprir esta missão ela precisava ser perfeitamente santa, não opondo a mínima resistência ao plano de Deus. De fato, Maria aceitou sem nenhuma restrição o convite de Deus, quando disse: “Eis aqui a serva do Senhor. Que ele faça de mim o que dizem as tuas palavras”. Mas esta entrega incondicional de Maria à vontade de Deus não seria possível se em sua vida tivesse havido qualquer sombra de pecado. Por isso, a Igreja louva Maria santíssima como Isabel, que, cheia do Espírito Santo, exclamou: “Bendita es tu entre as mulheres e bendito é o fruto de teu seio!”.”

(Autor: Pe. João A. Mac Dowell S.J. – fonte do texto entre aspas: http://academico.arautos.org/2011/12/o-que-significa-imaculada-conceicao/)

Share Button

 

Deixe uma resposta