Por que celebrar o Dia de Finados?

sábado, outubro 24, 2009

 

The YouTube ID of ZZyn9wQwJGA&feature=related is invalid.

Este vídeo é um bela oportunidade para ouvir esta linda música "Sonda-me", interpretada por Erika Rodrigues e Agnaldo Rayol. Abaixo você encontrará um artigo sobre o Dia de Finados.

A CELEBRAÇÃO DE FINADOS
A VIDA ETERNA QUE CRISTO NOS PROMETE COMEÇA AGORA !

Estamos no Mês de novembro. Nesse mês, de modo especial no dia de finados, relembramos nossos familiares, amigos que partiram de nosso convívio. Para uns esse ato de recordar é tranqüilo, sereno; para outros reabre às vezes feridas, renasce o pranto e prolonga a dor porque ainda não conseguiu aceitar a separação daquele ou daquela que partiu do convívio cotidiano. De um ou de outro modo o ato de recordar reacende a saudade, mas também a dor.

portao ceu jesus cristo igreja catolica ordem franciscana canto da paz paraiso paz

A visita que fazemos ao cemitério, as preces que elevamos a Deus, as velas que acendemos, as flores que oferecemos aos nossos entes queridos são um expressão do nosso amor e carinho a eles. Mas não apenas isso. É também expressão de nossa confiança em aqueles que não estão mais juntos de nós fisicamente, que não caminham conosco em nosso dia a dia, definitivamente, não morreram. Essa garantia é o próprio Jesus quem nos da: “aquele que crê em mim, mesmo que morra viverá eternamente” (Jo 11,25). Para os que acreditam a vida não se restringe no aqui e agora que vivemos na história, porém a vida se revela em algo muito maior. A vida apreciada no amor é, na fé, convivência eterna em comunhão com Deus. Essa é a esperança cristã que nos conduz a um olhar confiante e alegre a essa comunhão de amor que há de vir.

Todavia, a vida eterna, a salvação não é para ser buscada apenas depois da morte.  Essa busca deve começar aqui e agora. Trata-se antes de tudo de acreditar no chamado que Deus faz a nós em Cristo. Por meio do seu filho Deus nos põe em comunhão com Ele. Mas essa é uma verdade de fé. Assim como somente pela fé em Cristo e sob a ação do Espírito podemos conhecer quem é Deus, do mesmo modo é também pela fé que podemos ter acesso a essa verdade, ou seja, à vida glorificada.

Mas cuidado para não entender errado o que estamos falando. Quando digo que é preciso crer trata-se de acolher aquele que é o Senhor da vida em nossa vida e aceitar que sua Palavra seja “lâmpada para os nossos pés” no dia a dia. Trata-se de deixar que ela – a Palavra – transforme nossa vida a tal ponto que possamos também hoje amar como o Cristo amou e ama, perdoar, solidarizar, profetizar, enfim, servir e fazer o bem como ele o fez. Dessa maneira antecipamos desde já a convivência plena no amor de Deus.

O Cristo glorioso e ressuscitado não é outro senão aquele chorou diante de seu amigo Lázaro, que teve compaixão da multidão faminta, que caminhou em busca da ovelha perdida, que carregou a cruz até o calvário e lá foi crucificado e morto. Com isso quero dizer que seremos o que somos agora. Será eternizado o que agora vivemos e fazemos. Na verdade a promessa e garantia da vida eterna supõe um modo de viver. É um viver segundo Cristo ou como diz Paulo, “não sou eu que vivo, mas é Cristo que vive em mim” (Gl 2,20).

Tudo o que expressamos é preciso ser visto em relação a outro ato de recordação e celebração que antecede o dia de finados: a Festa de todos os Santos. Louvamos e bendizemos a Deus por todos os santos. Mas quem são os santos? São nossos irmãos na fé que numa determinada viveram a fé em Cristo buscando fazer a vontade do Pai. É verdade que o número dos santos não são somente aqueles que a Igreja já os declarou. Vai muito alem. Ser santo é um chamado dirigido a todos os homens e mulheres que ontem, hoje e amanhã peregrinam por esta terra (1 Cor 1,2). Nesse sentido podemos dizer que todos os nossos irmãos, amigos, familiares que não estão mais conosco já experimentam a alegria de ser santo como nosso Deus é santo em sua ressurreição. Essa mesma alegria somos nós convidados a experimentá-la em nosso caminhar cotidiano rumo à pátria definitiva. Isso implica fazermos o que já expusemos: viver em Cristo abraçado às tarefas do Reino de Deus. Para ser mais claro, viver a caridade com os irmãos, sobretudo, o pobre, o enfermo, o faminto, pois este rosto sofrido é o rosto mesmo de Cristo.

Que essa singela reflexão seja oportuna a você leitor (a) no sentido de cultivar não um sentido de desespero diante da morte ou ainda que lhe ajude a aceitá-la com um olhar sereno. De certa forma a morte é nossa parceira. Sem a morte e experiência da cruz não se experimentará a vida glorificada. Ao mesmo tempo ajude a examinar quais ações são prioritários em sua vida e se elas estão relacionadas às escolhas d’Aquele que nos chama a viver na santidade e nos assegura uma Vida plena, eterna e feliz. De uma coisa estou certo aquele que faz a vontade de Deus não ficará sem recompensa: o cêntuplo nesta vida e a vida eterna.

(fonte: www.dioceseprocopense.org.br/site/artigos/pealcides_finados.doc – autor: Pe. Alcides Andreatta . Mestrando em Teologia Pastoral . Belo Horizonte – MG)

Share Button

 

comentário(s)

  1. Custódia da Costa santos disse:

    Bendito seja o Senhor pelas maravilhosas palavras de explicação do sentido do dia dos finados. Comungo com tudo que foi dito e sinto a alegria de sentir de que maneira eu e todos nós, somos chamados a viver na alegria de amar e nos sentirmos amados, de sermos chamados á vida, não para a morte, mas para atingir a vida plena, que passa pela passagem que chamamos morte.

  2. bom dia….
    adorei o artigo sobre dia de finados.
    Fiquei feliz que outros pensam como eu.
    na minha casa muitos pensam diferente, MAS SÓ EU E MEU MARIDO VAMOS AO CEMITÉRIO, NÃO SÓ NO DIA DE FINADOS,MAS TAMBÉM NO NATAL, ANIVERSÁRIO DE MINHA MÃE,DIA DAS MÃES, ETC….

  3. antonio disse:

    Aos meus olhos de rasa perspectiva sobre a escatologia, pareceu-me faltou ao brilhante artigo sobre o Dia de Finados algo de grande importância : a crença no Purgatório, a cada dia menos difundida e muito mais deixada de lado. Qual a razão?… Faltou dizer que, a nossa alma após a morte, desde que entre na mansão celeste(amiga de Cristo), receberá a garantia da visão de Deus face a face, após a purificação dos resquícios (escórias) de pecados não totalmente redimidos (até o pagamento do último ceitil). Embora não se tenha dito, o Dia de Finados é a data mais adequada e singular para dirigirmos orações em sufrágio das almas dos nossos irmãos defuntos. Atualmente pouco se fala de se rezar pelos mortos. Por quê?!…

  4. marilene alves de souza disse:

    gostei muito desse artigo foi bastante esclarecedor

Deixe uma resposta