Jesus abraçava as crianças… – Evangelho Comentado

sexta-feira, outubro 2, 2009

 

evangelho comentado jesus cristo igreja católica canto da paz criança

EVANGELHO COMENTADO

Evangelho: (Mc 10, 2-16) – 27º Domingo do Tempo Comum

"Alguns fariseus chegaram e, para testar Jesus, perguntaram-lhe se era permitido ao homem repudiar a mulher. Ele lhes respondeu: “O que Moisés vos ordenou?” Eles disseram: “Moisés permitiu escrever uma certidão de divórcio e despedir a mulher”.

Jesus continuou: “Foi devido à dureza de vossos corações que ele vos deu esta lei. Mas no princípio da criação Deus os fez homem e mulher. Por isso o homem deixará pai e mãe para unir-se à sua mulher, e os dois serão uma só carne. Assim, já não são dois, mas uma só carne. Não separe, pois, o homem o que Deus uniu”. De volta para casa, os discípulos perguntaram-lhe novamente sobre o mesmo assunto. Jesus lhes respondeu: “Quem divorciar-se de sua mulher e casar com outra, comete adultério contra a primeira. E se a mulher se divorciar do marido e casar com outro, comete adultério”.

Alguns traziam a Jesus crianças para que as acariciasse, mas os discípulos os repreendiam. Vendo isso, Jesus se aborreceu e lhes disse: “Deixai vir a mim as crianças e não as impeçais, pois o reino de Deus é daqueles que são como elas. Eu vos asseguro: Quem não receber o reino de Deus como uma criança, jamais nele entrará”. Jesus abraçava as crianças e as abençoava, impondo as mãos sobre elas."

COMENTÁRIO

O Evangelho de hoje nos fala de um tema importantíssimo. O assunto de hoje é a família e, de modo particular, destaca o significado do casamento. Vivemos uma época difícil onde a família virou brinquedo nas mãos dos produtores de novelas, e o Sacramento do Matrimônio é encarado como um jogo de azar.

Milhares de casais se perguntam se ainda vale a pena insistir na tentativa de conciliar uma relação que começou errada e que vai se arrastando por anos e anos de forma insustentável e sem perspectivas de reconstrução.

Aquela chama ardente do amor que aquecia o lar e que mantinha unida a família desapareceu. Não há mais carinho, respeito, fidelidade, nem sequer harmonia. Quando o casamento chega nesse estágio, a paz é a primeira a desaparecer do lar.

Todos sofrem. Os filhos acabam se envolvendo no fracasso de seus pais e, no final, todos se perguntam: “Será que Deus prefere vê-los juntos brigando ou ficaria mais feliz com a separação? Será que vale a pena continuar juntos? Não é melhor que cada um siga seu caminho e tente reconstruir sua vida?”

A essas perguntas a lógica humana responde sem hesitar: é melhor a separação!  Também os fariseus pensam assim e tentam apanhar Jesus numa armadilha ao fazerem esta pergunta: “É lícito ou não o homem repudiar sua mulher?”

Pergunta cheia de veneno, pois o divórcio era praticado pelos judeus com muita naturalidade. A lei mosaica era clara quanto à legalidade da separação. Se Jesus dissesse que era lícito, estaria indo contra a sua posição de defender a mulher, se dissesse que não, iria contra a lei de Moisés. O que dizer?

Jesus esvazia o argumento dos fariseus, indo buscar nas Escrituras, no relato da criação, o fundamento bíblico do matrimônio. Com autoridade Jesus diz que Moisés fez concessão ao divórcio por causa da dureza dos corações do povo, porém no início dos tempos, não era assim.

ESTE ARTIGO CONTINUA

Share Button

 

comentário(s)

  1. joao freitas disse:

    Muito obrigado para Equipe Canto da Paz. Com esse artigo leva-me a refletir mais profunda sobre o matrimonio cristao que e indissoluvel. “Nao separe o homem o que Deus uniu”. Existe muitos cristaos que hoje brincam com o matrimonio. Que Deus nos abençoe.

  2. Achei este artigo muito esclarecedor. Vai no ponto. Vivemos em uma época de relacionamentos descartáveis. Infelizmente, esta cultura atingiu em cheio os casados, e pior, pela separação dos pais, o número de novas uniões segue em escala geométrica porque os que se divorciam, às vezes fazem duas ou três novas tentativas. O resultado é que o número de crianças geradas nesta condição, basicamente desarmônica,é alarmante.
    Todos devem pensar muito bem o que significa “amar” até as últimas consequências. O amor, hoje, é mercadoria para aumento das vendas, para aumento da audiências – novelas, programas de auditório, revistas, livros, vídeos, cinema, etc…
    Que Cristo Jesus, através do Espírito Santo que vive entre nós, em nós, nos ilumine. Amém.

Deixe uma resposta