Onde compraremos pão? – Evangelho Comentado

sexta-feira, julho 24, 2009


multiplicacao paes jesus cristo multidao peixes evangelho comentado 

Evangelho: (Jo 6, 1-15) – EVANGELHO COMENTADO

Naquele tempo, Jesus partiu para o outro lado do mar da Galiléia, isto é, de Tiberíades. Era acompanhado de grande multidão, pois viam os sinais que fazia com os enfermos. Jesus subiu ao monte e sentou-se ali com os discípulos…

… Estava próxima a Páscoa, a festa dos judeus. Jesus levantou os olhos e, ao ver a grande multidão que vinha ter com ele, disse a Filipe: “Onde compraremos pão para dar-lhes de comer?” Dizia isto para experimentá-lo, pois bem sabia o que ia fazer. Filipe respondeu: “Nem duzentas moedas de prata seriam suficientes para cada um receber um pedacinho de pão”. Um dos discípulos chamado André, irmão de Simão Pedro, disse: “Está aqui um menino que tem cinco pães de cevada e dois peixes. Mas o que é isso para tanta gente?” Disse Jesus: “Fazei todos sentar-se no chão”. Havia naquele lugar muita grama. Sentaram-se, pois, os homens em número de uns cinco mil. Então Jesus tomou os pães, deu graças e deu-os aos que estavam sentados. Fez o mesmo com os peixes, dando-lhes o quanto queriam. Depois de saciados, disse aos discípulos: “Recolhei os pedaços que sobraram, para não se perderem”. Eles os recolheram e encheram doze cestos de pedaços que sobraram dos cinco pães de cevada. Vendo o sinal que Jesus tinha realizado, aquela gente dizia: “Na verdade, este é o profeta que há de vir ao mundo”. Percebendo Jesus que pretendiam levá-lo à força para fazê-lo rei, retirou-se de novo, sozinho, para o monte.

COMENTÁRIO

A multidão vinha de longe para encontrar-se com Jesus. Vinha de todos os cantos à procura de cura para os seus males e também à procura de sua Palavra. Jesus sempre atento às necessidades do povo percebeu que estavam com fome, e aproveitou-se desse momento para dar uma verdadeira aula de partilha.

Deu também uma aula de cidadania, mostrou que todas as pessoas são importantes, independentemente de sexo, idade, cor e classe social. Fez questão de envolver todos os seus discípulos e até mesmo um menino. Um anônimo, de quem não sabemos sequer o nome ou de onde veio. Era apenas mais um na multidão.

Chama nossa atenção, esse menino. Vamos procurar saber um pouco mais sobre o ilustre desconhecido mencionado pelo evangelista João. Um jovem no meio da multidão que, sem abrir a boca, marcou sua presença neste episódio.

Nem sempre Jesus nos fala com palavras. Ele coloca enigmas em nosso caminho e nos convida a desvendá-los. Jesus provoca mudanças de forma tão natural que na maioria das vezes nem percebemos o quanto são radicais.

Apesar das mulheres ainda sofrerem discriminações, podemos dizer que na época de Jesus a coisa era ainda pior. As mulheres eram simplesmente ignoradas. Como os escravos, elas não tinham direitos, só obrigações. Mulheres e crianças eram colocadas à margem da sociedade. Não tinham o menor valor.

Jesus veio para mudar! Mudar conceitos e acabar com preconceitos. Fez questão de valorizar a mulher ao pedir água à samaritana. Não condenou Maria Madalena e foi um grande amigo de Marta e Maria. Mas, para realmente dar à ela seu devido valor, quis nascer de uma mulher.

Das crianças disse: “Deixem que venham a mim, porque delas é o Reino do Céu”. Também disse que para entrar no Reino Celeste é preciso ter coração de criança e arrematou com estas palavras: “Quem recebe em meu nome uma destas crianças, é e mim que recebe”. 

Hoje, Jesus fala de um menino dono de cinco pães e dois peixes. Um jovem desconhecido e dono de um enorme coração. Tinha alimento suficiente para o seu almoço. Poderia afastar-se da multidão e, sozinho, tomar sua refeição, no entanto, preferiu entregar tudo que tinha para ser partilhado.

No gesto de solidariedade e desprendimento desse menino está uma lição tão importante quanto o milagre da multiplicação dos alimentos. Esse jovem anônimo está aí para nos ensinar o milagre da partilha. Mostra que na renúncia e no simples gesto de dar o milagre acontece.

Poucos teriam feito o que ele fez. Entregou nas mãos de Jesus tudo o que tinha e, o que parecia impossível aconteceu. Viu o seu pouco saciando a fome de milhares. Esse menino fez a sua parte e, quem quiser o Reino dos Céus, tem que imitá-lo.

Mesmo com a sensação de ser só mais um na multidão, precisamos lembrar daqueles milhares que esperam pelo milagre. Esse milagre chama-se doação. Para ver acontecer, basta doar. Façamos nossa parte! O restante é só deixar por conta de Jesus; é Ele quem dá graças e distribui.

(fonte: www.miliciadaimaculada.org.br  – autor: Jorge Lorente)

 

Share Button

 

comentário(s)

  1. ivani de sousa disse:

    sempre muito bom, assim como a partilha dos pães e dos peixes,partilhar tambem os arigos desse site.
    Obrigada a todos.
    Deus os abençoe!

  2. maria divina b maciel disse:

    gosto muito de ler as reflexoes dos textos biblicos, me a juda p/o entendimento, muitas vezes tenho dificuldade de refletir a versão do texto para a realidade. abraço e Deus os abençoe.

  3. Jonas disse:

    Gostei do artigo, mas peço vênia para discordar do articulista num aspecto. Apesar de não ter discriminado as mulheres, antes valorizou-as com seu tratamento imparcial, Jesus não nasceu de uma mulher para enaltecer o gênero feminino, mas para se identificar melhor com o ser humano,
    homem ou mulher, e, assim, ser o Salvador de todos, porque “TODOS pecaram e destituídos estão da glória de Deus” (Romanos 3.23). Cordialmente!

Deixe uma resposta