“Amarás o próximo como a ti mesmo”! – Evangelho Comentado

sexta-feira, outubro 24, 2008

"AMARÁS O PRÓXIMO COMO A TI MESMO" – EVANGELHO COMENTADO

Evangelho: (Mt 22, 34-40) – 30º Domingo do Tempo Comum

Quando os fariseus souberam que Jesus fizera calar os saduceus, juntaram-se em bloco. E um deles, doutor da Lei, perguntou, para testá-lo: “Mestre, qual é o maior mandamento da Lei?” Jesus lhe respondeu: “Amarás o Senhor teu Deus, de todo o coração, com toda a alma e com toda a mente. Este é o maior e o primeiro mandamento. Mas o segundo é semelhante a este: Amarás o próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos dependem toda a Lei e os Profetas”.

É interessante sabermos que no tempo de Jesus havia 613 preceitos que deviam ser observados pelos judeus, já que estes preceitos constituíam a Torá (palavra hebraica que significa "Lei"). A Torá era como se fosse a Bílbia dos judeus daquele tempo e ainda dos nossos tempos atuais.

Naquela época havia divergências, na interpretação dos preceitos, entre as diversas escolas rabínicas (= de rabinos). Assim, alguns rabinos achavam que determinado preceito era mais importante do que outros, causando algumas discordâncias entre as várias escolas. Por este motivo, a pergunta do doutor da lei foi muito apropriada, ainda que fosse para testar Jesus. Ele queria saber qual era o maior mandamento, pois havia 613.

Para responder, Jesus cita dois livros da Torá (que também fazem parte do nosso Antigo Testamento): o livro do Deuteronômio (para falar do amor a Deus) e o livro do Levítico (para falar do amor ao próximo).

Jesus mostra que estes amores são centro da Lei, ou seja, são o essencial da Lei. São um mandamento duplo ou um mandamento com dois preceitos. Não são dois mandamentos diferentes, pois ninguém pode dizer que ama a Deus que não vê, se não ama o seu irmão que vê. Aqui está a novidade de Jesus, pois os judeus consideravam o amor a Deus e ao próximo como dois mandamentos distintos entre si.

É logico que os seres humanos e Deus são diferentes entre si. Deus é o Criador, infinitamente Superior a nós, e nós somo apenas criaturas frágeis, falhas e pecadora. Entretanto, não se pode separar o amor cristão dedicado a ambos. Aliás, Jesus deixa isto bem claro na parábola do Juízo Final, quando nos diz: "tive fome e me destes de comer, tive sede e me destes de beber… todas as vezes que fizestes isto a um dos meus pequeninos, foi a Mim que fizestes." (Leia no Evangelho segundo São Mateus, capítulo 25). Precisamos, aliás, lembrar que o objetivo da religião (religião = re – ligare  = ligar o céu e a terra) é levar os Homens a se encontrarem com Deus através, também, do amor fraterno.

Existia uma Regra de Ouro já antes de Jesus nascer, que era: "Não faças ao outro o que não queres para ti!" Jesus, no entanto, vai bem mais além do que esta conotação negativa do amor.

Aproveitamos a oportunidade para lhes oferecer, ainda neste artigo (leia a PARTE 2), mais uma reflexão bem leve e clara acerca deste trecho do Evangelho. Bom proveito a todos!

ESTE ARTIGO CONTINUA

Share Button
Se gostou desse artigo...

 

comentário(s)

  1. Antonio disse:

    Achei o comentário simples e objetivo. Nos dias atuais, percebe-se ainda aquela antiga idéia do humanismo “selvagem”: tudo pelo corpo; tudo pela boa-vida; tudo pela “vida em abundância” da materialidade. Ora, se busco meu próprio bem-estar, se procuro o viés mais retilíneo do prazer, mas abandono o semblante do próximo, estarei provavelmente pecando contra o Segundo Mandamento. Logo, as pessoas que pregam o viver intensa e confortavelmente a vida, olhando-se a si mesmas apenas, parece não terem entendido a mensagem de Jesus, quando recomendou o “negar-se a si mesmos e pegar a cruz”. Terei eu também entendido erroneamente?…

  2. Maria Terezinha Gomes disse:

    Vou contar uma coisa pra vocês, estou com cinquenta e um anos, não faz muito tempo tempo que conheci o Amor, a mãe me ensinava tudo da religião, mas agora que eu estou amando cada vez mais esse Deus Uno e Trino. Amém. Shalom.

  3. irlar . z disse:

    Eu acredito que nossa experiência com Jesus, na maioria das vezes, venha com a dor, o sofrimento, a súplica. Eu agradeço porque no meu caso específico veio aos 31 anos, ainda “jovem”. E como sempre fui meio “científico” não percebia o singelo da “vida”. Amor. A vida se resume a Amor. Penso, que num mundo tão absoluto em meditação transcendental, medicina holística, teosofia, terapias alternativas, cosmos, acabamos por perder um pouco do “time” plural e nos encerramos no uno. Embora o caminho com Jesus não seja dócil (como todos), não tenho mais dúvidas de que: (como ele mesmo disse) “Vinde a Mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e Eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o Meu jugo e aprendei de Mim, que Sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas. Porque o Meu jugo é suave e o Meu fardo é leve.” “Aquele que crê em mim nunca estará sozinho.” “Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vai ao Pai se não por mim.” “O amor é tudo.”

Deixe o seu comentário