Solenidade da Exaltação da Santa Cruz – Evangelho Comentado

domingo, setembro 14, 2008

SOLENIDADE DA EXALTAÇÃO DA SANTA CRUZ – EVANGELHO COMENTADO

exaltação da santa cruz jesus igreja católica franciscanos

Imagem da Holy Cross Parish – Diocese of San Jose, California – USA

Evangelho – João 3, 13-17

"13 Ninguém subiu ao céu, a não ser aquele que desceu do céu: o Filho do Homem. 14 Assim como Moisés levantou a serpente no deserto, do mesmo modo é preciso que o Filho do Homem seja levantado. 15 Assim, todo aquele que nele acreditar, nele terá a vida eterna."

Como a festa da Transfiguração, também a da Santa Cruz é intensamente celebrada na Igreja Oriental. Ambas as festas participam da mesma atmosfera: a presença da glória divina no sofrimento e morte de Jesus na cruz, mistério percebido com profunda  sensibilidade pelos cristãos orientais e muito valioso também para nós. Tenha-se diante dos olhos os ícones ou crucifixos com o Cristo glorioso comuns na Igreja Oriental. A liturgia renovada deu a estas festas, juntamente com a da Epifania, um destaque especial, com vistas exatamente à comunhão com as Igrejas Orientais, que, além de significar a unidade, é também um grande enriquecimento para o Ocidente materialista e secularista.

A origem da festa remonta à dedicação das basílicas do Gólgota e do Santo Sepulcro, construídas pelo imperador Constantino, em 13 de setembro de 335, sendo que no dia seguinte se mostrava os restos da Santa Cruz.

O fio central da liturgia de hoje é o simbolismo da elevação na cruz como elevação na glória, desenvolvido por João no evangelho (Jo 3,13-17; cf. tb. 12,32-33 e 19,37, lembrando Zc 19,37: “Contemplarão aquele que traspassaram”). A 1ª leitura vê este simbolismo prefigurado no episódio da serpente de bronze que Moisés levantou diante dos olhos dos hebreus para esconjurar a praga das serpentes (possivelmente lembrança de um antigo culto, cf. 2Rs 18,4). O tema da elevação/exaltação, inspirado por Is 52,13 (o Servo  Padecente, 4° cântico do Servo) preside também à 2ª  leitura, sendo que aqui a exaltação é contrabalançada pelo rebaixamento (esvaziamento, quenose) no sofrimento infligido àquele que nem deveria considerar apropriação injusta a forma divina (Fl 2,6-11). Observe-se que neste maravilhoso texto o rebaixamento não é a encarnação na existência humana, mas a forma de servo/escravo em que essa encarnação é vivida por Jesus.

Olhando o conjunto dos textos somos levados a penetrar mais profundamente neste mistério, que constitui a intuição principal do evangelho de João: o dom da vida de Jesus, morrendo por amor fiel até a morte, na cruz, é a manifestação da glória, isso é, do ser de Deus que aparece: pois “Deus é amor” (1Jo 4,8-9), a tal ponto que Jesus, na hora de assumir a morte na cruz, pode dizer: “Quem me vê, vê o Pai” (Jo 14,9).

ESTE ARTIGO CONTINUA

Share Button

 

Deixe uma resposta