O que nos reserva a eternidade?

sábado, novembro 10, 2007

Evangelho Comentado – 11/11/2007 – Evangelho: (Lc 20,27-38)

Alguns do partido dos saduceus, que negam a ressurreição, aproximaram-se de Jesus e lhe perguntaram:

“Mestre, Moisés nos deixou escrito: Se um homem casado morrer deixando a mulher sem filhos, case-se com ela o irmão dele para dar descendência ao morto. Ora, havia sete irmãos. O primeiro casou-se e morreu sem filhos. Da mesma forma o segundo, o terceiro, e sucessivamente os sete casaram-se com ela e morreram sem deixar filhos. Por fim, morreu também a mulher.

Na ressurreição, de quem ela será mulher, se os sete a tiveram por esposa?” Jesus lhes disse: “Nesta vida as pessoas casam-se e se dão em casamento. Os que forem considerados dignos, porém, de ter parte na outra vida e na ressurreição dos mortos, não se casam nem se dão em casamento. É que eles já não podem morrer, porque são iguais aos anjos e são filhos de Deus, uma vez que já ressuscitaram. Aliás, que os mortos hão de ressuscitar, o próprio Moisés dá a entender na passagem da sarça, quando diz: O Senhor Deus de Abraão, Deus de Isaac e Deus de Jacó. Ele não é Deus de mortos mas de vivos, uma vez que para ele todos vivem”.

Neste Evangelho, encontramos Jesus rodeado por alguns doutores da lei, chamados saduceus, que o procuraram para testá-lo, para colocá-lo a prova. O grupo dos saduceus era formado por sacerdotes e leigos da alta sociedade. Eram pessoas ricas e influentes, subordinadas aos romanos e por isso, odiadas pelo povo e também pelos fariseus.

No entanto, Apesar da aparente inimizade, por diversas vezes, fariseus e saduceus, uniram-se para combater Jesus. Encontrar alguma falha em Jesus, era para eles uma obsessão. Os saduceus não acreditavam na ressurreição dos mortos e negavam a Providência Divina. Para tentar justificar sua descrença, quiseram saber a opinião de Jesus a respeito da Lei de Moisés que dispunha sobre o matrimônio.

Toda nossa inteligência e raciocínio estão muito longe de entender o que nos espera na eternidade, mas pelo visto, querer enxergar as coisas de Deus com olhos humanos é coisa antiga. Com os saduceus era assim e parece que deles, herdamos a mesma mania.

Assim como os saduceus, nós também temos um conceito bem distorcido a respeito da vida eterna. Encaramos a eternidade como uma simples continuidade desta vida. Nos preocupamos, inclusive, em juntar tesouros, como se fôssemos realmente levá-los e utilizá-los no Paraíso. Uma certeza nós temos: maravilhas que os olhos humanos jamais viram, Deus Pai reservou para nós no Céu.

No entanto, não conseguimos entender a amplitude dessas maravilhas. Nossa postura com relação à vida eterna é parecida com a posição de um migrante ou turista. Parece que vamos somente para uma nova cidade, estado ou país, onde os nossos sonhos serão realizados. Nosso entendimento é tão limitado, que nos leva a traçar um comparativo com as coisas boas que conhecemos. Por isso achamos que essas maravilhas de Deus se resumem em saúde, segurança, conforto, terra, emprego e uma série de coisas que almejamos, sempre relacionadas com nosso dia-a-dia.

A primeira resposta de Jesus, aos saduceus ressalta que o matrimônio é uma instituição deste mundo em que homens e mulheres morrem. A finalidade do casamento é conservar a espécie, através de novos nascimentos. Mas isso é uma necessidade apenas para este mundo. Ao professarmos nossa fé, afirmamos que cremos na ressurreição da carne e na vida eterna, portanto, após a ressurreição, não haverá mais morte nem nascimento. A alma não morre, porém a carne ressuscitará e assumirá um corpo imortal, semelhante aos anjos, por isso não haverá necessidade da união entre esposa e marido.

Nunca é demais lembrar que, na mesma oração de profissão de fé, também afirmamos que cremos que Jesus Cristo Ressuscitado, virá para julgar os vivos e os mortos. Por tudo isso, devemos viver a justiça e o amor, pois Jesus disse também que o justo não conhecerá a morte eterna. A fé e a esperança na ressurreição devem se traduzir num compromisso em defesa da vida.

Sabemos o que isso implica para nós enquanto comunidade. Acreditar no Deus dos vivos nos leva a lutar contra a opressão e injustiças. A certeza da ressurreição deve transformar vizinhos em irmãos.

http://www.miliciadaimaculada.org.br

Share Button

 

comentário(s)

  1. Maria da Conceião Silveira disse:

    Gostei muito do tema sobre vida eterna ou seja ressurreição. muito esclarecedor assim como os demais artigos. Que Deus os Abençoe sempre seus trabalhos .
    um abraço

  2. Jesus falou: Amém.Shalom.

Deixe uma resposta