São Paulo, mestre e doutor das Nações

sábado, março 3, 2007

Paulo nasceu em Tarso na região da Cicília, Ásia Menor, atual Turquia. Cidade bonita, grande, com mais ou menos 300.000 habitantes, era um centro importante de cultura e comércio e possuía um porto muito ativo.

 

 

Nascido numa família judaica, Paulo foi criado dentro das exigências da LEI DE DEUS e das tradições paternas (Gl 1, 14). Nasceu e cresceu em um ambiente protegido e rígido de um bairro judeu e de lá observava a grande cidade grega e seus costumes. Estes dois ambientes marcaram sua vida.

Era costume naquela época ter dois nomes. Por isso, tinha dois nomes, um para cada ambiente: SAULO, nome judaico (At 7, 58) e PAULO, nome grego (At 13, 9). Ele prefere e assina Paulo, mas Jesus o chama de Saulo, nome que determina qual era o seu povo, judeu (At 9). Como todos os meninos, judeus da época, Paulo recebeu sua formação básica na casa dos pais, na sinagoga do bairro e na escola ligada à sinagoga.

A formação básica compreendia: – aprender a ler e escrever; – estudar a Lei de Deus e a história do povo judeu; – assimilar as tradições religiosas; – aprender as orações, especialmente os salmos. O método era: pergunta e resposta, repetir e decorar, disciplina e convivência. Além da formação básica em Tarso, Paulo recebeu formação superior em Jerusalém com Gamaliel (At 22, 3).

A leitura da Bíblia era o eixo da formação, marcava a piedade do povo. Desde criança (2Tm 3, 15), os judeus aprendiam a Bíblia, era a mãe em casa, que cuidava de transmiti-la aos filhos. Assim, desde pequeno, Paulo aprendeu que “toda Escritura é útil para ensinar, para repreender, para corrigir e para formar na justiça. Por ela o homem de Deus se torna perfeito, capacitado para toda boa obra” (2 Tm 3, 16-17).

O pai de Paulo era dono de uma oficina de tendas e com ele Paulo aprendeu a fabricar tendas (At 18, 3). Este aprendizado iniciava-se aos treze anos e durava dois ou três anos, sob uma disciplina rígida. O aprendiz trabalhava de sol a sol e Paulo a tudo se submeteu, apesar de não visar ser um trabalhador, mas para administrar a oficina, mais tarde, como proprietário.

Paulo sempre foi um homem profundamente religioso, judeu praticante, irrepreensível na mais estrita observância da Lei (At 22, 3), “cheio de zelo pelas tradições paternas” (Gl 1, 14). Esse ideal animou Paulo durante os primeiros 28 anos de sua vida (Fl 3, 5-6), mas chegou o momento de descobrir que observar a Lei não era suficiente para levá-lo até Deus. Aconteceu então a sua conversão para o Cristianismo. A partir daí, Paulo dedicou sua vida inteiramente a pregar a Palavra de Jesus, estendendo-a para quase todo o mundo antigo.

É chamado o "Apóstolo dos Gentios" pois levou a palavra aos pagãos e não só para os judeus. Uma certeza acompanhou a vida de Paulo: “SEI EM QUEM PUS MINHA CONFIANÇA” (2 Tm 1, 12). E isto lhe dá a convicção: “COMBATI O BOM COMBATE, TERMINEI A MINHA CARREIRA, GUARDEI A FÉ”. Paulo era um homem profundamente religioso, judeu praticante, irrepreensível na mais estrita observância da Lei, “cheio de zelo pelas tradições paternas”.

Esse ideal animou Paulo durante os primeiros 28 anos de sua vida, mas chegou o momento de descobrir que observar a Lei não era suficiente para levá-lo a Deus. Estevão e Paulo eram colegas de estudo, mas os caminhos se separaram. Estevão entrou na comunidade dos cristãos, criada fazia três ou quatro anos. Paulo era contra. Até o dia em que presencia e aprova a morte de Estevão pelos judeus que perseguiam os cristãos. Logo após esse fato, Paulo perseguia o caminho de Damasco quando subitamente, uma luz resplandecente vinda do céu o cerca, ele cai ao chão e uma voz lhe diz:

– Saulo, Saulo. Por que me persegues?

– Quem és, Senhor?

– Eu sou Jesus a quem persegues.

– Senhor, que queres que eu faça?

– Levanta-te, entra na cidade. Aí será dito o que deves fazer. – Levanta-te, entra na cidade. Aí será dito o que deves fazer.

Paulo se levanta, abre os olhos e nada enxerga. Está cego! Encontra-se com Ananias na cidade de Damasco, que lhe impõe as mãos e ele recupera a visão. Ananias batiza-o em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo e Paulo começa a pregar a Palavra de Deus. A conversão de Paulo para Cristo significou uma mudança profunda na sua vida, mas não foi uma troca de Deus, Paulo continuou fiel a Deus e a seu povo.

Tornou-se cristão pela vontade de ser fiel às esperanças de seu povo aceitando Jesus como o Messias. Reconheceu em Jesus o SIM de Deus às promessas feitas a seu povo no passado. A experiência de Paulo passa pelo testemunho de Estevão. Escolhido por Jesus para o apostolado, Paulo sabia que sua missão não era outra a não ser pregar e difundir o Evangelho. E isto significava, para ele, mostrar a todos a figura de Cristo como Mestre e Salvador do mundo. Daí a sua profunda humildade, mostrando-nos que, na sua missão de evangelizador, ele não buscava pregar a si mesmo ou fazer alarde da sua sabedoria. Era apenas um servidor do Evangelho e isso pela vontade daquele que o escolhera: “Sou o último dos apóstolos e nem mereço ser chamado assim, pois vivi perseguindo a Igreja de Deus” (I Cor 15, 9).

O apóstolo reconhecia que seu físico franzino, os parcos recursos de sua voz e de seus gestos não podiam apresentá-lo aos seus ouvintes como um grande e imponente orador. Além disso, a doutrina que pregava não oferecia assuntos ou mensagens de sabedoria humana. Por isso, apoiava-se unicamente na sua fé, na sua profunda convicção, aliadas a uma imbatível perseverança em meio a todos os sofrimentos.

Suas cartas mostram o feitio humilde e despretensioso do grande Evangelizador. Em diversas passagens aparece a constante preocupação do Apóstolo em falar simples e ao alcance de todos. Sentindo-se devedor a todos, Paulo sabia que a sua dívida maior era com Cristo.

Aquele Saulo, perseguidor implacável da Igreja e pavor dos primeiros cristãos; este foi o homem que Cristo escolheu para levar o Evangelho ao mundo. E foi para cumprir a sua missão que ele viveu viajando sempre, sem descanso. Sofrimentos de toda sorte, até mesmo o martírio, tudo ele aceitou para de alguma forma, retribuir a sua escolha para o apostolado.

Na sua segunda carta a Timóteo 2, 9, Paulo diz que embora ele estivesse preso, a Palavra de Deus nunca seria encarcerada. De fato, confinado em sua casa em Roma e mesmo no cárcere, o Apóstolo continuou pregando e fazendo discípulos. Somente a morte pôde calar sua voz, no entanto suas palavras, seu testemunho permanecem até hoje entre nós. Paulo morreu pela espada, decaptado.

(retirado e adaptado do site: http://www.saopauloapostolo.org.br)

CLIQUE AQUI PARA LER SOBRE O ANO PAULINO

Share Button

 

comentário(s)

  1. Maria Terezinha Gomes disse:

    Eu acho linda!A história de São Paulo,nós temos que pedir sempre a intercessão desse Santo que abraçou a causa do reino.Amém.Shalom.

  2. Silvania disse:

    Texto muito oportuno, tendo em vista a minha comunidade estar fazendo encontros bíblicos sobre a 1ª Carta de São Paulo aos Coríntios, promovido pela arquidiocese de Belo Horizonte. Neste site tenho buscado orientar-me mais sobre a religiosidade.
    Paz e bem,
    Silvania di Latella

  3. sonia de fatima disse:

    agradeço estas informaçoes que ajudam o povo a descobrir a pastoralidade de PAULO, ele sem duvida viveu a cura d´anime sendo teologo da base e pastoralista com um olhar voltado a realidade do povo judeu e pagao, curvado a idolatria. Ele resgatou a vida olhando pra Jesus anunciou e denunciou a beleza da vida em Deus. Suas cartas nos ajudam a compreender esta beleza sem fim e nos ajuda a penetrar neste misterio de ser cristao no mundo de hoje na partilha com os mais pobres.

  4. João Miguel disse:

    Nunca compreenderemos bem o que é a Igreja de Jesus, se não conhecermos bem São Paulo, em todas as suas dimensões: homem, apóstolo, apaixonado,cheio de fé…
    A iniciativa deste site é de louvar e quem nos dera que a Igreja se rendesse aos benefícios dos novos meios de comunicação social.
    Se S. Paulo vivesse hoje, certamente que os usaria, para chegar mais rápido aos seus leitores.

  5. Pe. Edson Kaoru disse:

    Este site presta grande auxílio para todos os que desejam aprofundar e revisar a vida desse Magnifíco Apóstolo das Gentes: Paulo de Tarso. Sua vida e apostolado reaviva o envio de Nosso Senhor Jesus Cristo: “Ide pelo mundo todo e anunciai o Evangelho a toda criatura”. De fato, Paulo foi um apostolo inquieto e, por isso, torna-se exemplo para todos os cristãos. Os presentes artigos desse site estão excelentes.

  6. cantodapaz disse:

    **** Pe. Edson, Paz e Bem! Muito obrigada pela gentileza de suas palavras. Elas já estão no nosso site. Pedimos a sua bênção. ****

  7. Conceição Olavo disse:

    Estou encantada com a vida do Apóstolo Paulo. Um homem que enxergou além do seu tempo.Mente privilegiada,que se rendeu aos ensinamentos de cristo e tão fervorosamente anunciou o evangelho ás comunidades urbanas.” Fiz questão de anunciar o evangelho onde o nome de Cristo ainda não havia sido anunciado” (Romanos 15,20).
    Obrigada “CantodaPaz”, por divulgar em destaque tão bela noticia!

  8. andrea disse:

    São Paulo foi e é um homem atual, capaz de reconhecer que somente em Cristo está a verdadeira salvação. Amo a história de vida dele e principalmente suas pregações. Assim devemos ser todos nós cristãos, levar a palavra do Senhor sem medo ou receio. O texto é muito bom e consegue resumir a vida e obra deste grande Apóstolo do Gentios.

  9. Sebastião Jorge disse:

    Oportuna e sábia iniciativa esta da coluna religiosa. “Prega a Palavra de Deus, insiste oportuna e inoportunamente.” O mundo tem sede de Deus e fome não só de pão material, mas sobretudo de justiça e amor.
    Que outros artigos e reflexões sobre São Paulo sejam divulgados para o ensinamento e diretrizes de nossa gente. Parabéns! Deus abençoe a linda iniciativa de vocês. Meu abraço carinhoso e preces do amigo, Pe Sebastião Jorge

  10. cantodapaz disse:

    ***** Pe. Sebastião e queridos amigos(as) obrigada pelas palavras de incentivo. Contamos com as suas orações para que o nosso esforço gere muitos frutos para o reino de Deus, dentro de uma forma bastante moderna de pregar o Evangelho a todas as partes do mundo. *****

  11. paulo manoel disse:

    oi, gostei deste site. Tem, muito BLÁ,BLÁ,BLÁ mais é legalzinho…

  12. mariadeloudessantos disse:

    Muito bom, eu gosto muito de Sao Paulo, ele é nosso patrono uma verdadeira história de conversão

  13. amanda disse:

    Uma linguagem simples de facil compreencão, mas incompleto. Não fala sobre sua teologia nem das viagens missionárias

  14. ruygandra disse:

    SÃO PAULO É UM VERDADEIRO APOSTOLO DE AMOR,,
    AMOU JESUS COM TODO SEU AMOR,,ACREDITAR EM SÃO PAULO,, É AMAR JESUS,,
    PEREGRINO DO AMOR,
    PAZ E BEM

Deixe uma resposta